No mês de novembro, o Instituto Protegendo Cérebros Salvando Futuros está apoiando a campanha Novembro Roxo, promovida pela ONG Prematuridade.com. Este ano, o tema será: “Juntos pelos prematuros, cuidando do futuro”.

O objetivo da campanha é conscientizar a população acerca dos riscos e da prevenção da prematuridade. Algo fundamental, dada a incidência do problema. Segundo a organização, o Brasil é o 10º país com mais partos prematuros no mundo, com cerca de 340 mil nascimentos de bebês antes de 37 semanas de gestação.

Prematuridade

Este receio tem origem no grande número de incidências apontados pela Organização Mundial de Saúde (OMS), já que essa hoje é a principal causa de mortalidade infantil entre crianças de até cinco anos.

No mundo, anualmente ocorrem 15 milhões de nascimentos prematuros, representando um em cada dez bebês. Destes, um milhão não consegue sobreviver.

Este quadro se torna ainda mais grave com o acréscimo da pandemia de Covid-19 na equação. Isso porque várias gestantes têm evitado ir às consultas pré-natais por medo de pegarem o vírus, o isolamento de prematuros na UTI e o medo aliado à desinformação.

Considerando que o pré-natal é uma das principais medidas preventivas para a prematuridade, este é um sério agravamento da situação.

Campanha

A escolhe do mês se dá por causa do Dia Mundial da Prematuridade e do Dia da Consciência para a Prematuridade, ambos comemorados em 17 de novembro. Já a cor representa sensibilidade e individualidade, características que são muito peculiares aos bebês prematuros.

Além do IPCSF, estão entre os apoiadores da campanha o Ministério da Saúde, a APAE, a AACD, a Sociedade Brasileira de Pediatria e a Sociedade Brasileira de Segurança do Paciente.